Pular para o conteúdo principal

Os Jogos Olímpicos
PARTE I

1. Origem
Os Jogos Olímpicos originais duraram mais de mil anos, de 776 antes de Cristo a 395 depois de Cristo. Mesmo antes disso já existiam competições parecidas, mas só a partir de 776 a.C. há registro oficial dos jogos. Assim como a imitação moderna, as Olimpíadas, os jogos eram realizados de quatro em quatro anos. Uma diferença com os jogos de hoje é que antigamente o local era sempre o mesmo: a cidade de Olímpia, na Grécia.
Desde os tempos pré-históricos esse local era considerado sagrado, e quem passava deixava uma oferenda para os deuses. Aos poucos começou a predominar ali a adoração a Zeus, que era o principal deus grego, e alguns altares foram, aos poucos, construídos. Existem lendas que explicam porque os jogos foram iniciados e porque aconteceram em Olímpia, mas não se conhece as razões reais.

Os esportes, na sua origem, eram parte do treinamento para soldados. Corridas, saltos, lutas, arremesso de dardo ou martelo, tudo isso tem a ver com a guerra. Mesmo a ginástica olímpica tem origem militar. Não é por acaso que uma das modalidades, aquela em que o ginasta fica girando sobre as mãos em cima de um cavalete, chama-se "cavalo". Isso era treino para soldados de cavalaria adquirirem mais agilidade em cima de seus animais.
Ao mesmo tempo, havia um lado religioso nos jogos. Existe uma crença grega que diz que o corpo tem tanta importância quanto o intelecto e o espírito, e que a melhor maneira de honrar a Zeus é cuidar dos dois aspectos, o físico e o espiritual. Olímpia se tornou uma cidade sagrada, assim como hoje Jerusalém, ou Meca, e a ida aos jogos era tanto um divertimento quanto uma peregrinação religiosa. É um pouco difícil de entender, porque na nossa cultura esporte e religião são totalmente separados. No entanto, para o grego daquele tempo, Olímpia seria uma espécie de Vaticano onde também estivesse o estádio do Maracanã.
Existem ruínas de Olímpia, e descrições antigas, que dão uma idéia do que era esse complexo esportivo-religioso, com vários estádios e templos. No principal templo, o de Zeus, havia uma estátua de marfim e ouro representando esse deus, estátua essa que media 13 metros de altura e era considerada uma das sete maravilhas do mundo antigo.
Embora viajar, naquele tempo, fosse tão mais difícil do que hoje, vinham milhares de pessoas, por terra e por mar, para assistir aos jogos. Até de colônias gregas distantes, como a África ou a Espanha, vinham viajantes. Um contemporâneo disse que "você vai a Olímpia e morre de calor, é amassado pela multidão, passa fome e sede, toma chuva e morre de frio, mas apesar disso vale a pena ir para ver espetáculos tão bonitos."
A Grécia não existia como país — era apenas uma região com cultura comum, mas com cidades independentes entre si. Essas cidades viviam guerreando entre si, mas durante o período dos Jogos havia uma trégua, respeitada por todos. A cada quatro anos, assim que se determinava a data do início dos jogos (que era baseada na lua cheia), emissários saiam viajando de cidade em cidade divulgando a data. Inicialmente a trégua era de um mês, mas depois foi aumentada para dois meses, e mais tarde três, para proteger os viajantes que tinham de vir de longe.
Só homens podiam competir nos Jogos antigos. Para evitar que alguma mulher se fingisse de homem para competir — o que podia acontecer, pois em algumas das cidades gregas mulheres eram soldados — deu-se uma solução simples: todo mundo nu. Sim, é isso mesmo. Todos competiam nus, em todas as modalidades de competição. Mulher podia, no máximo, assistir aos jogos. E isso se fosse solteira. Mulher casada não podia nem assistir. Houve um caso de uma mulher, viúva de um antigo campeão, que trouxe seu filho para competir, fingindo-se de treinador. O filho ganhou e a mãe, entusiasmada, pulou a cerca da pista para abraçar seu filho. 
Ela foi reconhecida como mulher, mas não foi castigada em homenagem ao falecido marido. Para evitar novos acontecimentos desse tipo, a partir desse dia também os treinadores tinham de estar nus.

Aparentemente a razão para essa discriminação contra as mulheres casadas era ligada ao aspecto dos jogos como ritual religioso de fertilidade. Só as virgens eram consideradas suficientemente puras para estar presentes.

2. Os jogos
Embora os jogos durassem só cinco dias, os preparativos começavam um ano antes. As pistas precisavam ser niveladas, os templos e estádios tinham sempre pequenos reparos a ser feitos. Os juízes eram escolhidos dez meses antes e começavam a planejar tudo. Os candidatos a atletas assumiam o compromisso de, dez meses antes, começar a treinar intensivamente. Um mês antes do início dos jogos juízes e atletas tinham de ir para a cidade de Elis, que dominava os jogos. Ali os atletas tinham que treinar sob a supervisão dos juízes, que desclassificavam os que não estivessem em boa forma física.
Poucos dias antes do início começava a chegar a multidão. Príncipes italianos vinham em lindos barcos, subindo o rio que passava perto. Viajantes em carruagens ou a cavalo, os pobres em carroças, jumentos, ou mesmo a pé. Camelôs, vendedores de comida e bebida, comerciantes em geral, todos vinham aproveitar a chance de vender seus produtos a preços absurdos, explorando os turistas.
Os jogos eram abertos com desfiles dos atletas e juramentos aos deuses. Havia festas e bebedeiras todas as noites. No terceiro dia, que coincidia com a lua cheia, era feito o grande sacrifício a Zeus. Cem bois, doados pela cidade de Elis, eram sacrificados. Suas pernas eram cortadas e queimadas em homenagem ao deus, que se alimentava com a fumaça. A carne era usada para um grande churrasco no final do dia. No fim do quinto dia os prêmios eram entregues, e havia mais festas e comemorações.
3. As modalidades
Nas primeiras vezes em que se realizaram os jogos, havia uma única competição, que era a corrida curta. Este seria o equivalente aos 100m rasos de hoje, só que naquele tempo a distância era de 192 metros. A pista tinha esse comprimento e era reta. Quando mais tarde se adicionaram corridas maiores, corria-se ida e volta nessa mesma pista. A lenda diz que essa distância foi determinada por Hércules, fundador mítico dos jogos, e que essa era a distância que ele conseguia correr de um só fôlego, prendendo a respiração.
Depois da corrida curta foi criada a dupla, ida e volta, e depois a de 24 vezes a pista. Mais tarde veio a corrida com armadura, em que os atletas corriam usando capacete, protetor metálico nas pernas, e carregavam um escudo redondo. Escritores da época dizem que era muito engraçado ver aqueles homenzarrões correndo com toda essa parafernália…e nus. Muito mais tarde criou-se uma corrida de revezamento em que cada corredor, ao acabar seu trecho, passava ao seu companheiro de equipe uma tocha acesa. O vencedor tinha a honra de acender a fogueira do altar de sacrifícios. Essa idéia foi usada para a abertura dos jogos de hoje em dia, em que um corredor chega no estádio com uma tocha e acende uma chama simbólica.
Uma corrida que hoje é muito conhecida, mas não existiu nos tempos antigos, é a maratona. A idéia moderna é baseada num fato acontecido na Grécia Antiga, quando os persas desembarcaram em Maratona para atacar Atenas. Um soldado ateniense correu 260km em dois dias para avisar Esparta e pedir ajuda.
O pentatlo era outra competição importante, introduzida em 708 a.C. Os cinco eventos eram arremesso de disco, salto, arremesso de dardo, corrida e luta. Todos se realizavam numa mesma tarde. Os dois últimos também aconteciam separadamente, mas os três primeiros só existiam dentro do pentatlo. O salto era em distância, o único salto que os gregos praticavam. Esse salto era dado de uma posição parada, sem corrida para tomar impulso. Em vez disso usavam dois pesos, um em cada mão, que eram jogados para frente para dar impulso. Esses pesos se chamavam "halteres".
Um pouco mais tarde foram introduzidas as corridas de carros puxados por times de dois e de quatro cavalos e logo, também, a corrida de cavalos como a conhecemos hoje, com o cavaleiro cavalgando o cavalo.
4. Fim dos jogos antigos
Com o passar dos séculos, os jogos perderam gradualmente seu significado religioso, e com a conquista da Grécia pelos romanos esse processo continuou. Os romanos chegaram a saquear alguns dos templos para financiar suas guerras, e o imperador Calígula tentou levar a estátua de Zeus para Roma. Em 267 d.C. uma tribo de bárbaros vindos de onde é hoje a Rússia invadiu Olímpia e destruiu parte dos edifícios. Em 393 d.C., o imperador romano Teodósio, o primeiro imperador cristão de Roma, proibiu todos os ritos pagãos. Em 426 d.C., o templo de Zeus foi destruído por um incêndio, possivelmente por ordem de Roma. Novas invasões, dos Visigodos, vândalos e outras tribos bárbaras, foram acontecendo e a cada uma mais um pouco era destruído.
No século V um terremoto, seguido de uma inundação, destruiu o que restava e cobriu as ruínas com uma camada de vários metros de lama. A localização do santuário, com o tempo, foi esquecida. Só mais de mil anos depois, em 1766, depois de séculos de esquecimento, o local foi descoberto por um antiquário inglês. A partir de 1875 foi empreendida uma escavação em grande escala. Até os dias de hoje os trabalhos de pesquisa continuam, tentando descobrir mais e mais sobre Olímpia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conhecendo Nossa Escola
Ei, galera! Veja quanta coisa bacana acontece em nossa escola! São tantos os Projetos e atividades que envolvem, estimulam e divertem nossos alunos. Vale a pena conferir e participar!
·Projeto Xadrez – Professoras Nancy Ana Pavan e Márcia Thomazini ·Projeto Jornal – Professora Patrícia Nobre de Faria e Souza ·Projeto Jornal Mural Literário – Professora Adriana Maria Farol Carol ·Projeto As Mídias e as Ondas do Rádio – Professora Valéria Beatriz de Matos ·Projeto Monitores de Leitura – Professora Nancy Ana Pavan ·Projeto Mediadores de Leitura – Professor Leonardo Quintas ·Recuperação Paralela – Professora Magali Aparecida Mingareli Del Valle
Confiram as fotos!
PROJETO XADREZ





PROJETO MONITORES DE LEITURA









PROJETO JORNAL

Sequência Didática Cartas de leitor: Impressa ou via e-mail

O educador possui enorme responsabilidade atualmente em proporcionar ao educando acesso aos vários gêneros textuais. O educando precisa ser instrumentalizado para compreender a função social da escrita. É necessário salientar que o trabalho com vários gêneros textuais repertoria o aluno a compreender como os mesmos estão constituídos e em quais momentos serão utilizados. As desestabilizações oriundas desse percurso contribuem para a formação de leitores e escritores plenos. Sendo assim, a prática em sala de aula pressupõe o redimensionamento do currículo, o qual deve legitimar a problematização como fator essencial para a reflexão do educando. Propostas significativas possibilitam ao aluno uma mobilização interna para construir conhecimento. O grande desafio da Escola é mobilizar o educando para confrontar várias verdades, desenvolver a criticidade e abandonar hipóteses antes inquestionáveis. O aluno traz uma grande bagagem de experiências que não podem ser desconsideradas. Há a nece…
CONCURSO DE DESENHO  TEMA: AS OLIMPÍADAS DE 2012
A Professora Gislaine de Educação Física promoveu no mês de agosto o "Concurso Caça Talentos" para os alunos do Fundamental I, tendo como tema "As Olimpíadas de 2012". O Concurso foi o maior sucesso! Produções incríveis foram realizadas. No dia 23 do mesmo mês, fora realizada a premiação no anfiteatro da escola. Contamos com a presença de alunos, professores e de nossa Coordenadora Pedagógica Anete. A Equipe do Jornal do Queiroz também esteve lá prestigiando o evento.
Confiram os vencedores e suas produções! 
Classificação:
1ºs Anos 1º Lugar - Medalha de Ouro Matheus dos Santos (1º Ano A) 2º Lugar - Medalha de Prata Luiz Henrique Bertolo Ramos (1º Ano A) 3º Lugar - Medalha de Bronze Leonardo Fernandes Paulino da Silva (1º Ano A)


2ºs Anos 1º Lugar - Medalha de Ouro Daniel Pereira da Silva (2º Ano A) 2º Lugar - Medalha de Prata Vinicius H. Iogui dos Santos (2º Ano C) 3º Lugar - Medalha de Bronze Talita Daiely Oliveira Santos…